domingo, dezembro 31, 2006

Conto De Natal - Parte 2

Voltando à história da semana passada, na véspera de Natal depois de distribuir os presentes, chamei minha avó num canto e dei-lhe um envelope. Dentro havia um cartão com motivos natalinos e essas palavras:

VALE-PASSEIO
Vale um passeio com seu neto mais velho.

Claro que ela estranhou, ainda mais quando eu disse que seria um passeio no outro sábado, o último do ano. Mas o assunto morreu.

Na sexta-feira liguei para ela e confirmei o horário: às oito eu passaria para apanhá-la. Ela estava curiosa, mas eu despistei. No dia seguinte fomos para São Paulo, que estava deserta graças ao feriado de Reveillon. Marginal tranqüila, avenida do Estado sem trânsito, uma beleza.

Quando chegamos na rua da Cantareira e disse que iríamos ao Mercado, ela começou a rir aquele riso nervoso tão conhecido. Imagina, eu não iria levá-la até lá, eu estava maluco. Respondi que não, que eu estava muito lúcido, e que meu presente de Natal seria comprar tudo o que ela tivesse vontade. E queria reparar um erro de quarenta anos atrás...

Entramos, e a primeira compra que fiz foi de uma sacola de lona, daquelas antigonas. Nada de sacolinha plástica, as compras seriam a caráter, como manda o figurino. Sacolas plásticas são uma heresia no Mercado, deviam ser proibidas. Enfim...
Fomos entrando, e de repente estávamos no meio de um corredor lotado, cercados de queijos, bacalhau, vinhos, azeites, frutas secas, cada qual com seu aroma característico, e que junto formam a “sinfonia” do cheiro, se é que assim posso chamar. Foi então que ela apertou meu braço, e disse que precisava parar. Começou a chorar, e tentava segurar as lágrimas. Ficou vermelha, lábios cerrados, respiração entrecortada por soluços. Choramos os dois.

Na primeira parte do conto acabei por esquecer de um detalhe: no dia em que me contou a história, minha avó disse que, se um dia voltasse ao Mercado, queria encontrar alguém pobrezinho que quisesse comprar alguma coisa e não tivesse dinheiro. Pois bem: mal havia se recuperado da primeira emoção, enquanto eu pagava a primeira compra, vejo ela revirar a bolsa, aflita. Quando percebi, havia uma menina de seus dez anos, parada diante dela. Deus, acaso, coincidência - dêem o nome que preferir - só sei que colocou aquela menina pedindo um real pra comprar qualquer coisa.

A menina arregalou os olhos quando pegou a nota que lhe era estendida, e disse bem devagar, quase que separando as sílabas:
- Eu ganhei dez reais... Obrigado, tia!

Pronto, nova choradeira. Minha garganta chegava a doer, ardida, como se aquela emoção tivesse mãos a me sufocar... Sentimentos são coisas inexplicáveis. Pior foi ela depois se lamentando por não ter levado mais dinheiro, queria ter dado uma nota de cinqüenta. Argumentei que dez reais para aquela menina já a fizeram feliz, ela que nunca ganha mais que moedinhas. Curioso: durante o resto das compras não vimos mais a menina, tampouco alguém pedindo o que quer que fosse.

Continuamos nossas compras, ela a todo momento a dizer que não acreditava ter voltado ali depois de 42 anos.... Bacalhau, queijos, azeitonas, vinho, a sacola ia ficando cada vez mais pesada – eu já estava com os braços doendo. Mas valeu o passeio, tanto pelo lado emocional como pela beleza do Mercado, restaurado em todo seu esplendor, com a mesma cor de sua inauguração em 1933.

Ao sairmos de lá ela disse uma frase que ficou marcada: “Tem coisas que machucam o coração, mas machucam de felicidade”.

Disso tudo ficou-me na lembrança o cadinho de cheiros do Mercado, misturado ao gosto das lágrimas e de um sentimento que todos nós buscamos pela vida, sentimento tão fugaz e singelo chamado felicidade...

Que 2007 seja feito de Boas Semanas!!!

7 comentários:

Kandy disse...

Não me surpreendi com sua atitude, porque sua nobreza de alma e de caráter é indiscutível. Atitudes como essa é que marcam a vida e entram para os livros de memória. Feliz ano-novo! E que 2007 seja cheio de emoções assim para você!

Ana Ramon disse...

Tenho esperado com muita curiosidade a continuação deste relato. Valeu a pena. Há muito que não lia um texto tão bonito. A tua escrita revela uma grande ternura pelas pessoas que te rodeiam. É bom ler-te. Que este Novo Ano te faça muito feliz!

Glaucia disse...

As melhores lembranças da minha vida estão ligadas a momentos, em que alguém teve a sensibilidade de adivinhar e realizar o meu desejo.
Foram pequenos gestos na sua maioria, mas que fazem toda a diferença. É com certeza o seu caso. Creio que a falta de sensibilidade do ser humano, é que o leva a agir assim como o seu avô. Provavelmente o que ofendeu tanto a sua avó, não tinha a menor importância para ele. E ele não teve a sensibilidade de entendê-la. Eis um exemplo de como as pessoas tem diferentes valores e como o segredo do bem viver é sempre: prestar atenção mais no outro, do que em si mesmo.
Parabéns pela sua atitude! Você realizou o sonho de alguém.
BJSSSSSSSS

Pedro Sanchez disse...

Brimo, sem palavras. Arrasou! Só você mesmo... Feliz da Agueda pelo neto que tem. Abraço e 2007 iluminado.

maal disse...

Lindo conto de Natal, verdadeiro e comovente.

Tudo de bom para ti!

Ana Ramon disse...

Tenho aqui um bonito pps sobre Coimbra e queria enviar-to. Mas não encontro o teu endereço de mail :((

Célia Sanchez disse...

CAramba...... Você é o cara meu...... Que atitude, realmente, você resgatou a alma da sua avó, sua e da garotinha que encontrou..... TOmara que em todos os 359 dias que faltam para acabar 2007 cada um de nós tenha a capacidade de um gesto que resgate a felicidade de alguém...... ..